Pular para o conteúdo principal

VOYEUR DE TRENS TRISTES

Ela não tinha carro.
Definitivamente não. Nada. Carro nenhum. Nada. Ela não tinha carro e dependia apenas das suas próprias pernas para andar.
Apenas dela e das suas longas pernas.
Só transporte público.
E ruim.
Péssimo transporte público.
Ela dependia dele e andava em trem, ônibus, táxi, bicicleta, a pé, de um lado para outro por toda a cidade. De um lado para outro. Por toda a cidade.
E nas suas viagens loucas , longas e insuportáveis, ao invés de ficar como uma idiota no fone de ouvido e num celular vagabundo ela apenas observava.
A tudo e a todas as situações.
Observava a tudo e a todos com a maior esperteza, com a maior atenção.
Esperta.
Nada de malditos fones de ouvidos brancos e joguinhos sem graça.
Nada de música ruim nos headphones.
Nada de música ruim.
Nunca.
Nem jogos idiotas.
Ela gostava de observar. E era boa nisso. Muito.
Ela parecia boba.
Mas não era.
Longe disso.
Muito longe disso.
Boba nunca.
Nunca.
Ela era muito, muito, mas muito esperta.
Muito esperta mesmo. A começar pela dispensa dos fones de ouvido brancos que todos usam hoje em dia (e na maior parte das vezes para ouvir música ruim).
Ela observava, nas suas viagens de trem, os casais se beijando e percebia que "ele" não amava a "sua" companheira. Beijos por obrigação. Apenas isso.
Ela observava, nas suas intermináveis viagens de trem, os casais se beijando e percebia que "ela" não amava o cara ao seu lado. Não. Ela não o queria. Não havia interesse.
Observava os casais e percebia quando se odiavam. Gays, héteros, enfim, qualquer porra. Ela apenas observava. Apenas observava. Apenas isso.
Era mestre nisso. Observar.
Observar.
Apenas observar.
Observava pessoas tristes, pessoas infantis, pessoas fracassadas, pessoas bem sucedidas. Pessoas de todos os tipos, de todos os sexos e de todas as cores. De todos os tipos, definitivamente.
Mas em suas andanças, quase todos os dias ela se deparava no último vagão com um casal lindo e apaixonado.
Eles sempre chamavam a atenção. Sempre.
Beijavam-se com paixão e atração, com ilusão e delícia.
Nítido o amor presente neles.
Ela adorava os observar.
Sempre juntos, sempre unidos, até a estação Pinheiros.
Daí ela partia e ele ficava triste, apenas olhando o caminho diverso dela.
Ela era alta, linda, magra, simples e maravilhosa.
Cabelos dourados e lindos.
Ele?
Baixo e feio e gordo e simples e comum, porém charmoso.
Um dia, para surpresa da nossa observadora, ele estava só.
Ela? Não estava.
Nem sombra dela.
Os olhos marejados dele a deixaram angustiados, mas ela não ousou perguntar nada. Ficou em silêncio.
Apenas o barulho das paradas do trem.
Ele deixou o vagão na estação habitual e partiu.
Ela nunca mais viu a menina bonita junto do garoto charmoso.
Nunca mais.
Pensou o que aconteceu. Nunca soube.
Ele?
Ela continuou o observar por quase todos os dias.
Sozinho.
Sempre sozinho.
Nunca mais com aquele brilho no olhar....
Nunca mais...
Pobre...
Tristes são as estações de trem...
Tristes.
Cheias de estórias tristes e vagões lotados...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TO THE END

- O que vc quer de mim? – ela perguntou, aos gritos – Que porra você quer de mim?. Ele olhou para o chão, triste. Não queria responder, não sabia responder. Preferiu o silêncio. - Vai responder, seu filho da puta? Vai? – ela gritou, enquanto dava socos no peito dele. Socos não fortes, porém socos repletos de raiva, desespero e dor. Ele ficou em silêncio. Ficou em total e absoluto silêncio, sem ter nada a dizer. Ela ter visto aquele beijo já era o suficiente. - Seu idiota. Seu completo e estúpido idiota. Sai daqui. Agora! – ela gritou. E ele saiu do pequeno apartamento e foi embora, descendo as curtas escadas daquele prédio tão antigo. E enquanto descia, podia ouvir, com desespero, o choro e a dor daquela garota tão especial, outrora o grande amor da sua vida. E caiu em choro e lamento. Pobre diabo...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

O RIDÍCULO CANSAÇO EM UM BALCÃO DE BAR.

Chovia. Muito. Madrugada alta. Chovia para caralho e eles estavam lá. Tolos, sentados, entediados, apenas bebendo e esperando a chuva passar. Amigos. Muito amigos. Cúmplices. Muito mais que isso. - Cansado? – ela perguntou suave e gentil, sabendo da exaustão dele. Exaustão física e psicológica. Exaustão. Física e psicológica. Apenas exaustão. Muita. Muita exaustão. Ele apenas consentiu com cabeça enquanto tomava mais um gole da sua vodka e tragava seu cigarro mentolado. Ficou em silêncio. Ela sabia o que ele queria dizer. O que queria responder. - Você não está bem, certo? – ela insistiu, afirmando e concordando. Sabia que era isso. Tinha certeza do que falava. Conhecia ele há "séculos". - Sim. Muito cansado. Saco cheio. – ele respondeu sem energia - De saco cheio e muito, mas muito cansado mesmo. De tudo – ele emendou. Ela ficou com a expressão triste. Nada disse. O silêncio é fundamental em certos mo

A SAÍDA É LOGO ALI

OUÇA: casino || ponte Ela pensou que seria possível esquecer os seus problemas. Todos os seus problemas. Todos. Ela realmente acreditou e pensou que seria fácil. Simples como tomar um destilado forte, bebericar um café sem açúcar ou descolar uma anfetamina qualquer. Acreditou que pudesse esquecer tudo e, para tanto, apenas alguns trocados no bolso e um carro bastaria. Um carro que a levasse para longe dali e pudesse fazê-la seguir em frente e rasgar todas as estradas possíveis, todos os caminhos reais ou mesmo imaginários. E assim ela fez. Em uma sexta-feira úmida e cinza - como os seus olhos aliás - ela acordou bem cedo. Era madrugada, quase manhã. Encheu a sua mochila gasta de tantas viagens com uma porção de maços de cigarro, alguns pendrives com as suas músicas prediletas, livros de poesia barata e, claro, fotos antigas. Fotos suas e de seus amigos. Fotos que ela adoraria ver, caso sentisse saudade. Ela detestava ver fotos digitais e aquele conjunto de fotos impressas era um tesour

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação