Pular para o conteúdo principal


Por Favor, Use os Headphones
"Dead Leaves And The Dirty Ground"
(The White Stripes)


Ele pegou, sem o menor cuidado, todas as suas roupas daquela porra de armário velho. As velhas camisetas de banda, as velhas bermudas rasgadas, os jeans já quase brancos e castigados pelo uso absurdo, enfim, tudo o que costumava vestir. Jogou tudo de uma vez dentro da pequena mala com cheiro de naftalina e excesso de pó acumulado pelo pouco uso. Abriu uma gaveta e sacou uma pilha de revistas antigas. Pegou seus livros, pegou parte dos cd´s. Pelo menos os que sei que são meus – pensou. Parou próximo a porta e jogou a mala com raiva no chão. Havia esquecido as fotos. Abriu um baú antigo, e procurou por alguns álbuns antigos. Olhou algumas fotos e fechou a porra do baú com força. Desistiu de levar qualquer foto. Queria simplesmente apagar qualquer foto dos últimos três anos.

- Você vai mesmo? – ela perguntou, aborrecida e visivelmente entediada.
- Posso? – ele respondeu, ríspido.
- Já vai tarde, meu chapa – ela retrucou.
- Beleza então. Depois eu pego essas fotos. Quero as mais antigas, mas não estou com o menor saco de procurar agora.
- Como quiser.
- Então tá. A gente se vê.
- A gente se vê – ela respondeu desanimada, virando-lhe as costas e sumindo em direção a cozinha.

Ele a observou sumir cozinha adentro e pegou a pequena maleta cheia de coisas. Deu uma última olhada na pequena sala, toda desarrumada e cheia de velas e incensos acesos e saiu. Assim que saiu pelo quintal ele esmurrou o velho e pesado portão de ferro e pôs-se a chorar, como uma criança, imaginando por que razão a sua vida tinha se tornado um caos.

Enquanto isso a cozinha era inundada por lágrimas. Inundada por sonhos desfeitos e pela triste perspectiva de as folhas mortas sujarem todo o quintal ...

" Dead Leaves And The Dirty Ground "
(The White Stripes)


Dead leaves and the dirty ground
when I know you're not around
shiny pops and soda pops
when I hear your lips make a sound

Seven notes in the mailbox
will tell you that I'm coming home
and I think I'm gonna stick around
for a while so you're not alone

If you can hear a piano fall
you can hear me coming down the hall
if I could just hear your pretty voice
I don't think I need to see at all

Soft hair and a velvet tongue
I want to give you what you give to me
and every breath that is in your lungs
is a tiny little gift to me

I didn't feel so bad till the sun went down
then I come home
no one to wrap my arms around

Well any man with a microphone
can tell you what he loves the most
and you know why you love at all
if you're thinking of the holy ghost

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

O FIM

Este site acaba (acaba?) aqui Como começou. De forma rápida, discreta, surpreendente e sem nenhum alarde. E agora, depois de quase vinte anos, ele vai embora da mesma forma rápida e discreta, mas... (pausa dramática) ...com uma tremenda diferença. Agora, com MUITO alarde, este site acaba aqui, mas suas ideias vão continuar no ar. “Outro Endereço, Outra Vida” como já dizia o título da canção da banda Fellini. O Somente Varsóvia , bem como o Clube Varsóvia com as suas festas, suas lágrimas, seus encontros, seus desencontros, vai continuar a existir nas mentes deliciosas de vocês e, a partir de agora, no site: UNANIMIDADE EM VARSÓVIA Sim, com muita honra e privilégio eu e Lúcio Goldfarb, escritor, diretor e muito mais, juntamos os nossos sites. Ele, que escreve desde 2013 o seu Toda Unanimidade e eu, que escrevo o meu Somente Varsóvia desde 2003, fundimos nossos espaços para dar lugar ao UNANIMIDADE EM VARSÓVIA, site no qual escreveremos e compartilharemos nossos textos, letras, vídeos,