Pular para o conteúdo principal


COMO DIZIA A MINHA AVÓ (OU O MAIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO SABE AMAR)

Ainda não havia começado a tempestade. O céu, no entanto, resolveu discordar do sol e daquele calor abafado e sufocante e se tornou totalmente negro. Negro como a noite. Cinza e profundo como os maiores medos. E ela estudava canto lírico. E não queria deixar o conservatório sob a ameaça daquela tempestade. Ela não queria se molhar. Não queria perder a voz, ainda mais uma vez. Resolveu então, esperar. Apenas isso. E enquanto esperava, ele se aproximou e perguntou, de modo simpático.

- Talvez o mundo acabe hoje – ele disse, com um sorriso.
Ela olhou em sua direção e mal acreditou que ele havia, pela segunda vez em uma mesma semana, iniciado uma conversa com ela – Tem razão. Se chover todo esse cinza, aí estamos afogados. Literalmente.
Ele sorriu novamente, um sorriso ainda mais bonito do que o primeiro e perguntou - Vai esperar a chuva? Talvez ela demore a chegar e a ir embora.
- Vou esperar sim. Com certeza eu não vou chegar a tempo de pegar o ônibus e não estou nem um pouco a fim de me molhar inteira. Tenho um recital no próximo final de semana e quero as cordas vocais inteiras.
- Muito bem. Você tem toda a razão em preservar a maravilha que é a sua voz. Você não pode privar o mundo dela. Pode apostar.
Ela olhou para ele constrangida e disse, sentindo suas bochechas ficarem totalmente vermelhas – Maravilha? Minha voz? Como você sabe? Nunca me ouviu cantando.
- Quem disse? – ele perguntou.
- Eu. Não me lembro de ter cantado com platéia. Exceto nos recitais na casa da professora Paulina. Mas você sequer é aluno dela.
Ele fez uma deliciosa cara de culpado e respondeu - Teve um dia, já faz um tempo, que eu fiquei escutando você cantar no estúdio. Sozinha. A tarde toda. Linda e sozinha. Fiquei encantado com a sua voz, o seu modo de cantar. É tão triste. É tão doce. É tão lindo. Encantador mesmo. Mal pude acreditar em meus ouvidos. Somente um anjo poderia cantar assim.
- E como você sabe que era eu que estava cantando? Podia ser qualquer outra garota – ela perguntou, tímida.
Ele riu e respondeu – Ah, querida. Eu tenho outros meios de VER e SENTIR as coisas, que não por meio desses meus cansados olhos cegos.
Ela ficou absolutamente sem graça pela pergunta idiota e respondeu – Desculpe. Não quis ser indiscreta ou estúpida ou cretina ou qualquer outra coisa.
- Relaxe. Não precisa se desculpar. Não há nada de errado nisso. Eu sou cego e você canta bem...
- ... e você é muito gentil – ela o interrompeu
Depois de alguns segundos de silêncio, ele completou - ... e você é linda! Absolutamente linda! – ele elogiou, com um brilho notável no canto dos lábios.
Ela ficou lá, parada, olhando para aquele garoto lindo à sua frente, mal acreditando que ela a achava linda. Disse, de forma rápida e sem pensar – Vamos tomar um café na padaria do Gero? – convidou.
- Mas e a chuva? Ela já começou. E a sua voz?
- Não tem problema. Canto lírico é algo tão lindo que eu posso cantar com o coração. Basta ele estar feliz.
- E ele está?
Enquanto o segurava pelo braço para ajudá-lo a descer as escadarias do conservatório, ela respondeu, baixinho – Você nem imagina o quanto...nem imagina...
E ele apenas sorriu...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis