Pular para o conteúdo principal


SOMENTE O DESCONTROLE...

Assim que entrou no pequeno apartamento em que morava, no centro antigo da cidade, ele jogou as chaves da porta de entrada sobre a mesa com duas cadeiras que enfeitava a sua ridícula sala. Fez a mesma coisa com o seu blusão sujo, porém, ainda que se tratasse de uma roupa, ele sequer tomou cuidado de jogá-lo sobre algum aparador. Deixou-o caído no carpete marrom, empoeirado e velho. Foi direto para a cozinha. Acendeu a luz e abriu o armário. Pegou um copo tipo americano, quebrado nas bordas, e deixou sobre a pia. Abriu uma outra porta do mesmo velho armário da cozinha e sacou uma garrafa de conhaque. Conhaque de última categoria. Conhaque de padaria. Conhaque de esquina. Encheu o copo até a borda e, sem se preocupar com as bordas quebradas, virou o líquido vermelho escuro de uma só vez. Encheu novamente o copo, mas desta vez não virou. Deu apenas um pequeno gole. Tateou dentro de alguma gaveta e achou uma caixa de fósforos, engordurada e pegajosa. Não se importou. Pegou um cigarro dentro do bolso da calça jeans e o acendeu. Deu uma longa tragada e sentiu-se bem. Sentiu-se vivo. Pela primeira vez naquele dia. Pela primeira vez naquele dia, definitivamente. Voltou à sala e ligou seu velho aparelho de som. Ficou surpreso por ele ter ligado de primeira, sem que fosse necessário dar o tradicional soco para fazer seus chips e transistores funcionarem adequadamente. Pensou que, talvez, sua sorte estivesse mudando. Abriu um baú que ficava ao lado das caixas de som e escolheu alguns discos de vinil antigos. Se o mundo fosse acabar, ao menos que acabasse com a trilha sonora perfeita. Escolheu discos de rock. Queria ouvir e esquecer onde estava. Esquecer como foi seu dia. Assim que a agulha pousou sobre o vinil e os primeiros acordes foram saindo das semi-quebradas caixas de som, ele virou o restante do conhaque, apagou o cigarro no já sujo carpete marrom e começou a dançar e a dançar e a dançar. Sem parar. Exaustivamente. Em transe. Rodopiou pela sala, chutou as caixas de som, tirou a camisa, subiu na cadeira, socou o lustre, cruzou o ar, dançou e dançou e dançou, como se o mundo fosse acabar, como se o mundo fosse explodir. Depois de alguns momentos nesse ritmo frenético ele desabou no chão, de uma só vez. Chorando violentamente, pensou no que deveria fazer para mudar a sua vida. O que deveria fazer para retomá-la do ponto em que desistiu dela. Do ponto em que quase desistiu definitivamente dela. Da sua própria vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

O FIM

Este site acaba (acaba?) aqui Como começou. De forma rápida, discreta, surpreendente e sem nenhum alarde. E agora, depois de quase vinte anos, ele vai embora da mesma forma rápida e discreta, mas... (pausa dramática) ...com uma tremenda diferença. Agora, com MUITO alarde, este site acaba aqui, mas suas ideias vão continuar no ar. “Outro Endereço, Outra Vida” como já dizia o título da canção da banda Fellini. O Somente Varsóvia , bem como o Clube Varsóvia com as suas festas, suas lágrimas, seus encontros, seus desencontros, vai continuar a existir nas mentes deliciosas de vocês e, a partir de agora, no site: UNANIMIDADE EM VARSÓVIA Sim, com muita honra e privilégio eu e Lúcio Goldfarb, escritor, diretor e muito mais, juntamos os nossos sites. Ele, que escreve desde 2013 o seu Toda Unanimidade e eu, que escrevo o meu Somente Varsóvia desde 2003, fundimos nossos espaços para dar lugar ao UNANIMIDADE EM VARSÓVIA, site no qual escreveremos e compartilharemos nossos textos, letras, vídeos,