Pular para o conteúdo principal


COMO SE APENAS A BOA SORTE PUDESSE AJUDAR

Ela entrou no seu quarto escuro. Não acendeu as luzes. De modo algum. Preferiu acender apenas uma vela de cor barbante ao invés de ligar a luz. Ao menos era possível enxergar o que precisava. Na verdade, não precisava nem enxergar muito. Já havia deixado tudo preparado. Tudo. Era só pegar as roupas que gostava mais, os seus cigarros, alguns poucos livros e um ou dois discos que gostava mais. Não precisava mais do isso. Não sabia se o lugar para onde estava indo podia acomodar muito mais do que isso. Seu corpo não parava de coçar. As feridas estavam irritando. Em poucos minutos ela arrumou tudo. Colocou sua pequena mochila em cima da cama e pôs-se a observar o seu quarto. Uma última contemplação. Seus olhos foram e voltaram e quando ela deu-se conta, estavam cheios de lágrimas. Mas não eram apenas lágrimas de alívio. Eram lágrimas de dor, de ódio, de revolta, de saco cheio, de arrependimento por não ter tomado qualquer atitude antes. Por não ter percebido que a sua vida e a de mais ninguém era o que, de fato, importava. Sabia que não tinha tanta força assim, mas, fazer o quê? Saiu do quarto sem olhar para trás, batendo a porta com muita força. Ele não estava lá e ela deixou a casa sem se despedir. Sem dar um último abraço. Parou do lado de fora e sentou-se no meio fio. Estava chovendo muito, porém isso não a incomodou. Começou a chorar com muita, mas muita força, como se o seu grito pudesse tirar toda a dor, como se a tempestade pudesse limpá-la e como se a maldita coceira pudesse sumir. Depois de alguns minutos, acendeu um Marlboro molhado e começou a andar pela rua, deixando tudo aquilo para trás, como se isso fosse possível...

Do lado de dentro, em cima da mesa da cozinha, apenas um bilhete de adeus e um desejo de boa sorte...nada mais do que isso...nada mais...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

O RIDÍCULO CANSAÇO EM UM BALCÃO DE BAR.

Chovia. Muito. Madrugada alta. Chovia para caralho e eles estavam lá. Tolos, sentados, entediados, apenas bebendo e esperando a chuva passar. Amigos. Muito amigos. Cúmplices. Muito mais que isso. - Cansado? – ela perguntou suave e gentil, sabendo da exaustão dele. Exaustão física e psicológica. Exaustão. Física e psicológica. Apenas exaustão. Muita. Muita exaustão. Ele apenas consentiu com cabeça enquanto tomava mais um gole da sua vodka e tragava seu cigarro mentolado. Ficou em silêncio. Ela sabia o que ele queria dizer. O que queria responder. - Você não está bem, certo? – ela insistiu, afirmando e concordando. Sabia que era isso. Tinha certeza do que falava. Conhecia ele há "séculos". - Sim. Muito cansado. Saco cheio. – ele respondeu sem energia - De saco cheio e muito, mas muito cansado mesmo. De tudo – ele emendou. Ela ficou com a expressão triste. Nada disse. O silêncio é fundamental em certos mo