Pular para o conteúdo principal

MALA DESFEITA.


- Então é isto. Decidido – ela disse, segurando com toda a força do mundo o vacilo e o embargo do choro na voz. Ele não poderia ter este prazer. Definitivamente, ele não poderia ter este prazer.
- Vou pegar as minhas coisas – ela emendou, triste, ao sair da sala em direção ao quarto.
Ele nada falou. Nada. Permaneceu sentado no sofá, quieto, fumando o resto do seu cigarro.
A ausência de qualquer expressão dele foi o que a deixou mais triste. A mortificou.
Sequer uma palavra para ela ficar ele disse. Sequer uma palavra ele esboçou.
O silêncio, nestes momentos, é o que há de mais devastador.
Enquanto pegava a mala e as suas roupas, ela não se conteve. Ajoelhou no chão do quarto e desabou em lágrimas. Desabou em choro e dor, como se não houvesse amanhã.
Era a terceira vez que ela fazia as suas malas naquele maldito quarto.
A terceira e a última, prometeu em silêncio. - Desta vez em definitivo – ela pensou - Não vou, nunca mais, passar por esta merda – prosseguiu.
Ela se ergueu e observou o ambiente. Pensou em tudo o que passou naqueles últimos anos. O amor desenfreado, a paixão, o casamento, a quase gravidez, as drogas, os vômitos, o ciúme, o desejo, os dreadlocks, os incensos, os filmes não vistos, os livros não lidos e os CDs não ouvidos.
Tentou, e conseguiu, segurar ainda mais uma vez o seu choro.
Enquanto iniciava o seu ritual particular de libertação e dor, arrumando a mala com sua parcas roupas, ouviu a voz dele, grossa e rouca, na entrada do quarto
- Fica – ele disse, sério, parado em frente à porta do quarto.
– Fica, por favor –continuou.
Ela olhou para ele com desespero e dor, já pouco se fodendo em tentar esconder as lágrimas.
O amava desesperadamente, claro. Ele era bonitão, novo e mega cavalheiro. Mas ela sofria demais. Sofria muito. Queria deixá-lo seguir sua vida e ser feliz do jeito que quisesse, caso a sua felicidade não estivesse ao lado dela.
- Fica? Não vou mais vê-la.
Ela o olhou com espanto
- Não? – perguntou, incrédula.
Ele abaixou a cabeça e nada disse.
- Seu imbecil de merda. Me responde. Não vai mais vê-la? – ela insistiu, rude – Não vai mais ver aquela idiota?
- Não posso te prometer isto.
- Não? – ela perguntou, desesperada.
- Não. Não posso. Posso te prometer não te fazer infeliz. Serve? – ele perguntou com o seu jeito suave, doce, irresistível.
Ela largou as roupas no chão e caiu no choro ainda mais compulsivo. Ele correu junto a ela e a abraçou, forte.
- Fica, por favor.
Ela o abraçou muito forte e decidiu dar uma chance ao destino.
Ao menos ele não a enganou.
Quem sabe do que o amor é capaz?
Só quem ama.
Apenas quem ama e quer ser feliz.

BAD GIRL 

BAD GIRL
Devendra Banhart

I've been a bad girl
I ain't playin' fair
I want you to be free
But I don't wanna share
No I don't wanna let you go
But it's about time I do
I can't blame you anymore
And I still love you
Wah, wah, wah, wah, wah, wah, wah...
...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a