Pular para o conteúdo principal

COSMONAUTA DJ


Três da manhã.
A noite daquela sexta estava apenas começando.
Apenas começando.
O Clube Varsóvia estava cheio, como sempre.
Como sempre.
Mesmo com a chuva despencando lá fora.
Despencando em baldes, não em gotas. Não em gotas.
Ao menos a luz não caiu.
Ao menos nenhum imbecil pediu música.
Ao menos até aquele momento.
Mas, ok.
Ele estava em casa, cercado de seus vinis, de seus pendrives, de seu notebook, enfim, de tudo o que precisava para tentar fazer as pessoas dançarem.
Estava dentro do seu aquário minúsculo com todos estes aparelhos, apenas escolhendo as músicas e observando as pessoas dançando, beijando, cheirando, fumando, curtindo, rindo, olhando umas as outras. Uma deliciosa caça de gatos e ratos sob aquelas luzes incansáveis que não paravam de brilhar e girar sua mente como um disco de vinil.
E, mesmo querendo estar sozinho, ele estava dentro do seu aquário.
Dentro do seu minúsculo, porém adorável e seguro aquário.
No Clube Varsóvia.
Um cosmonauta ilhado dentro da sua nave.
Apenas com a sua música, com os seus problemas, as suas doenças, as suas dores, as suas necessidades, a sua saudade. Muita saudade. Muita saudade.
Mas ninguém precisava saber disso.
Ninguém.
Ninguém precisava saber disso.
O que precisavam era de músicas felizes.
Muito felizes.
Ele tinha que tocar músicas compostas de pílulas rosa e balas em forma de acordes mal performados ou batidas eletrônicas.
Conforme o momento.
Conforme a nicotina.
Conforme a taxa etílica.
Conforme o nível de endorfina da pista.
E já eram quatro horas da manhã.
A noite já havia começado.
Começado há tempos.
O Clube Varsóvia ainda mais cheio, como sempre naquele horário.
Como sempre.
E ele, o “responsável” pela dança precisava tocar as canções felizes, embora, definitivamente, ele não quisesse.
Não mesmo.
Ao menos não naquela noite.
Não naquela noite.
Mas ninguém precisava saber disso.
Ninguém.
Pílulas rosa e balas em forma de acordes mal performados ou batidas eletrônicas fazem todos dançarem. Todos dançarem.
Tônica da noite.
Isto é o que importa.
Mais uma noite em Varsóvia.
No Clube Varsóvia.
E, do nada, uma garota bem bonita deixou um bilhete mal feito em um guardanapo vagabundo e o escorregou para os seus dedos entre as frestas do seu aquário.
Sorriu, piscou o seu olho direito e partiu.
Ele ficou surpreso.
Bastante surpreso.
Bastante.
E leu o que estava escrito.
Sorriu como um tolo.
Um tolo.
Esqueceu as músicas, esqueceu a pista, esqueceu o aquário e sorriu.
Apenas sorriu.
Muito feliz.
Muito feliz mesmo.
Decidiu tocar apenas o que queria dali para frente.
Apenas o que queria.
Canções sobre pílulas rosa e balas em forma de acordes mal performados ou batidas eletrônicas para fazer todos dançarem. Todos dançarem.
Inclusive ele.
Um Cosmonauta fora de órbita.
Na Ionosfera, apenas lembrando e desejando aquelas pernas tatuadas.
Dela.
E ela?
Estava lá.
Era o que o bilhete dizia.
Bebendo e o observando dentro do aquário.
Depois de tanto tempo.
Tanto tempo.
O que dizia o bilhete?
Nada além de uma deliciosa caça de gata e rato sob aquelas luzes incansáveis que não paravam de brilhar e girar a mente do DJ como se fora um velho disco de vinil.
Ele sorriu ainda mais percebendo ela sentada no bar o fixando, com suas lindas pernas tatuadas ao lado da sua linda amiga delivery de bilhetes.
Ele estava na Ionosfera.
Ionosfera.
E a observando.
Cruzamento delicioso de olhares.
Ela, do balcão do bar.
Ele, da sua isolada nave cosmonauta.
Ela apenas esperando ele parar.
Ele desejando muito isso.
Apenas parar e ir até ela.
Eles?
Apenas esperaram a noite acabar para, assim, a noite realmente começar...
Começar...
E ele era o DJ.
Ele decidia tocar.
Definitivamente.
Simples assim.

E quem sabe o que é a Ionosfera?
Quem sabe naquela hora da madrugada...
Naquela hora da madrugada.

Apenas eles.
Apenas eles.

“IONOSFERA
substantivo feminino
Camada da atmosfera terrestre que contém cargas elétricas (íons e elétrons  livres), situada entre a estratosfera e a exosfera, a aprox. 50 km –80 km de altitude”
(Dicionário Houaiss)

Simples assim.

“D.J.

I'm home, lost my job, and incurably I'll
You think this is easy, realism
I've got a girl out there, I suppose
I think she's dancing
Feel like Dan Dare lies down
I think she's dancing, what do I know?
I am a D.J., I am what I play
Can't turn around no, can't turn around, no, oh, ooh
I am a D.J., I am what I play
Can't turn around no, can't turn around, no, oh no
I am a D.J., I am what I play
I got believers
Believing me, oh
One more, weekend, of lights and evening faces
Fast food, living nostalgia
Humble pie or bitter fruit
I am a D.J., I am what I play
Can't turn around no, can't turn around no, ooh
I am a D.J., I am what I say
Can't turn around no, can't turn around, ooh
I am a D.J., I am what I play
I've got believers
Believing me
I am…”








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a