Pular para o conteúdo principal

COSMONAUTA DJ


Três da manhã.
A noite daquela sexta estava apenas começando.
Apenas começando.
O Clube Varsóvia estava cheio, como sempre.
Como sempre.
Mesmo com a chuva despencando lá fora.
Despencando em baldes, não em gotas. Não em gotas.
Ao menos a luz não caiu.
Ao menos nenhum imbecil pediu música.
Ao menos até aquele momento.
Mas, ok.
Ele estava em casa, cercado de seus vinis, de seus pendrives, de seu notebook, enfim, de tudo o que precisava para tentar fazer as pessoas dançarem.
Estava dentro do seu aquário minúsculo com todos estes aparelhos, apenas escolhendo as músicas e observando as pessoas dançando, beijando, cheirando, fumando, curtindo, rindo, olhando umas as outras. Uma deliciosa caça de gatos e ratos sob aquelas luzes incansáveis que não paravam de brilhar e girar sua mente como um disco de vinil.
E, mesmo querendo estar sozinho, ele estava dentro do seu aquário.
Dentro do seu minúsculo, porém adorável e seguro aquário.
No Clube Varsóvia.
Um cosmonauta ilhado dentro da sua nave.
Apenas com a sua música, com os seus problemas, as suas doenças, as suas dores, as suas necessidades, a sua saudade. Muita saudade. Muita saudade.
Mas ninguém precisava saber disso.
Ninguém.
Ninguém precisava saber disso.
O que precisavam era de músicas felizes.
Muito felizes.
Ele tinha que tocar músicas compostas de pílulas rosa e balas em forma de acordes mal performados ou batidas eletrônicas.
Conforme o momento.
Conforme a nicotina.
Conforme a taxa etílica.
Conforme o nível de endorfina da pista.
E já eram quatro horas da manhã.
A noite já havia começado.
Começado há tempos.
O Clube Varsóvia ainda mais cheio, como sempre naquele horário.
Como sempre.
E ele, o “responsável” pela dança precisava tocar as canções felizes, embora, definitivamente, ele não quisesse.
Não mesmo.
Ao menos não naquela noite.
Não naquela noite.
Mas ninguém precisava saber disso.
Ninguém.
Pílulas rosa e balas em forma de acordes mal performados ou batidas eletrônicas fazem todos dançarem. Todos dançarem.
Tônica da noite.
Isto é o que importa.
Mais uma noite em Varsóvia.
No Clube Varsóvia.
E, do nada, uma garota bem bonita deixou um bilhete mal feito em um guardanapo vagabundo e o escorregou para os seus dedos entre as frestas do seu aquário.
Sorriu, piscou o seu olho direito e partiu.
Ele ficou surpreso.
Bastante surpreso.
Bastante.
E leu o que estava escrito.
Sorriu como um tolo.
Um tolo.
Esqueceu as músicas, esqueceu a pista, esqueceu o aquário e sorriu.
Apenas sorriu.
Muito feliz.
Muito feliz mesmo.
Decidiu tocar apenas o que queria dali para frente.
Apenas o que queria.
Canções sobre pílulas rosa e balas em forma de acordes mal performados ou batidas eletrônicas para fazer todos dançarem. Todos dançarem.
Inclusive ele.
Um Cosmonauta fora de órbita.
Na Ionosfera, apenas lembrando e desejando aquelas pernas tatuadas.
Dela.
E ela?
Estava lá.
Era o que o bilhete dizia.
Bebendo e o observando dentro do aquário.
Depois de tanto tempo.
Tanto tempo.
O que dizia o bilhete?
Nada além de uma deliciosa caça de gata e rato sob aquelas luzes incansáveis que não paravam de brilhar e girar a mente do DJ como se fora um velho disco de vinil.
Ele sorriu ainda mais percebendo ela sentada no bar o fixando, com suas lindas pernas tatuadas ao lado da sua linda amiga delivery de bilhetes.
Ele estava na Ionosfera.
Ionosfera.
E a observando.
Cruzamento delicioso de olhares.
Ela, do balcão do bar.
Ele, da sua isolada nave cosmonauta.
Ela apenas esperando ele parar.
Ele desejando muito isso.
Apenas parar e ir até ela.
Eles?
Apenas esperaram a noite acabar para, assim, a noite realmente começar...
Começar...
E ele era o DJ.
Ele decidia tocar.
Definitivamente.
Simples assim.

E quem sabe o que é a Ionosfera?
Quem sabe naquela hora da madrugada...
Naquela hora da madrugada.

Apenas eles.
Apenas eles.

“IONOSFERA
substantivo feminino
Camada da atmosfera terrestre que contém cargas elétricas (íons e elétrons  livres), situada entre a estratosfera e a exosfera, a aprox. 50 km –80 km de altitude”
(Dicionário Houaiss)

Simples assim.

“D.J.

I'm home, lost my job, and incurably I'll
You think this is easy, realism
I've got a girl out there, I suppose
I think she's dancing
Feel like Dan Dare lies down
I think she's dancing, what do I know?
I am a D.J., I am what I play
Can't turn around no, can't turn around, no, oh, ooh
I am a D.J., I am what I play
Can't turn around no, can't turn around, no, oh no
I am a D.J., I am what I play
I got believers
Believing me, oh
One more, weekend, of lights and evening faces
Fast food, living nostalgia
Humble pie or bitter fruit
I am a D.J., I am what I play
Can't turn around no, can't turn around no, ooh
I am a D.J., I am what I say
Can't turn around no, can't turn around, ooh
I am a D.J., I am what I play
I've got believers
Believing me
I am…”








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação
REGANDO GIRASSÓIS COM AMOR E SAUDADES - Então é isso? – ela perguntou, quase aflita, com a voz distante. - Creio que sim – ele respondeu, disfarçando a tristeza – Fique tranqüila, a viagem vai ser do caralho. Você vai amar. Você vai, estuda e, logo, logo, vai estar de volta e nós continuaremos juntos. Sempre juntos. E, afinal, nem é tanto tempo assim. - Pô, seis meses é quase uma vida – ela disse. - Não, relaxa, vai passar voando. E você tem razão, vai ser uma vida. A sua vida. A nossa vida. Ela permaneceu em silêncio e ele emendou – Vá tranqüila querida, por favor. Você sabe que eu te amo e tudo o mais e pode apostar que quando você voltar eu vou estar te esperando. Pode estar certa. - Você tem certeza que não quer ir ao aeroporto? – ela perguntou – Já estou quase saindo. - Nós já conversamos sobre isso, não? – ele retrucou, firme. - Tá bem, tá bem, não vou mais discutir isso. Bom, preciso ir. Nossas despedidas já fizemos. O resto vem depois – ela disse, já chorando. -