1.2.18

VELUDO AZUL


E ele adorava veludo.
Adorava veludo, bebidas, músicas boas e lingeries.
E mulheres com pouco espaço nas costas entre tatuagens.
E ele adorava veludo.
E grafite.
Adorava o cheiro do batom e o gole de saliva que insistia em roubar dela.
Línguas.
Dedos.
Pele.
Unhas.
Cheiros.
Perfumes.
Veludo.
- Posso? – ele perguntou.
Ela concordou com a cabeça, trêmula.
Úmida.
A sua mão invadiu as suas pernas longas.
Longas pernas de uma dama.
Suspense antes de atingir o objetivo... deixá-la louca.
Lingerie?
Não havia mais.
Corpos?
Dois.
E ele adorava veludo.
Adorava veludo, bebidas, músicas boas e lingeries.
Mas... gostava mais de mulheres lindas e nuas.
Machista?
Nunca.
Canalha?
Talvez.
Mas um canalha sempre respeitando o toque. Sempre respeitando o toque do veludo azul no veludo... rosa.
Rosa e úmido.
Com cheiro de flores, vinho tinto e uma noite inesquecível.
Ele adorava veludo.
Ela?
Ainda mais... ainda mais.
E sonhos?
Os melhores para todos nós...
Todos...



Nenhum comentário: