Pular para o conteúdo principal

O MAIOR E ADORÁVEL MISTÉRIO DO DECOTE


Noite. Noite quente em terras distantes localizadas ao sul do país. Noite de verão. Quente. Muito calor. Muito suor. O toque suave das mãos quentes dele no seu corpo gelado típico do sul do país a derreteu. Completamente. Totalmente. De uma forma devastadora. De uma forma inexplicável. Inexplicável mesmo. Como uma paixão adolescente incontrolável e indefensável. Como uma paixão sem limites e sem consequências. Adoravelmente irresponsáveis. Ambos. Como uma canção de amor dos anos setenta. Cafona, forçada, porém bela e apaixonada para quem ama. Bela e muito, mas muito apaixonada para quem ama e entende. Como se Barry Manilow cantasse só para ela ao pé do seu ouvido e isso fosse realmente importante. Arrasador. Um knock out. O toque suave das mãos quentes dele no seu corpo gelado típico do sul do país a desmontou. Absolutamente. Totalmente. Ela derreteu como mel. Mel puro. Mel delicado de uma cor viva e saborosa. Brilhante. Aroma delicado. Ela derreteu e escorreu como mel. Lovely Bee Movie. Delícia melhor não há. Delícia melhor não existe. Mel que escorreu por entre suas coxas brancas, firmes e sedosas. Coxas firmes como as de uma nadadora campeã olímpica. Uma nadadora campeã olímpica. Coxas deliciosas e lindas. Firmes. O toque delicado dos seus dedos quentes no seu corpo gelado típico do sul do país a derreteu. Totalmente. Definitivamente. Os seus dedos grossos de pianista, hábeis e cruéis, invadiram sem pena, receio, pudor ou permissão o decote do vestido verde ou lilás que ela estava usando e alcançaram, sem medo, o bico dos seus seios rosados, grandes, saltados e lindos com os quais ele sonhava há tempos. Há tempos. Seios deliciosos, lindos, grandes e maravilhosos. O auge do prazer. Os bicos endureceram e ela tremeu e quis explodir. Ele? Apaixonado, louco por ela, insano e ensandecido, apenas quis explorar os seus seios e o seu corpo e lhe dar prazer. Obter prazer. O maior de todos. O toque suave das mãos dele no seu corpo gelado típico do sul do país e a sua língua cruel rodopiando e circulando em adorável acrobacia sobre os seus seios a devastou, deixando-a indefesa e entregue. Totalmente indefesa e entregue. Ela amou. Ele ainda mais. Seios. A mais pura perfeição do corpo feminino. A mais perfeita escultura do corpo feminino. Rosados, escuros, pequenos, grandes, suculentos ou não, não importa. Os seios são o maior mistério do decote. O maior mistério do decote. Adoráveis decotes em vestidos de cor verde, lilás, amarelos ou azuis. Decotes, seios e colos. Mulheres, homens, paixão e tesão. Muito tesão. Mel e gozo e sêmem. Existe combinação mais perfeita para uma noite quente de verão entre dois jovens apaixonados? Claro que não... Claro que não...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.
APENAS RELÂMPAGOS... O beijo que você me deu sob o sol A chuva molhando os campos de maçã (Sob o Sol - Vibrosensores) Lembro que choveu MUITO naquela tarde. Muito mesmo. Mais do seria normal em qualquer outro dia, em qualquer outro dia que não aquele. Maldito. Tudo estava bem, mas o céu, como puro capricho, decidiu se rebelar. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito mesmo naquela tarde. Como jamais eu pensei que poderia chover em qualquer outro dia normal. Em qualquer outro dia que não aquele. Maldito. Lembro-me que eu estava no parque central, quieto, pensando nas verdades que eu havia ouvido e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico que a minha vida havia se transformado. Lembro-me que não estava sol, nem tampouco abafado, e que, portanto, não havia tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade. Não mesmo. Mas, ainda assim tudo aconteceu. Não me dei conta, e,