Pular para o conteúdo principal

JASMIM E UM SOFÁ VERMELHO


Ela era puro jasmim. Puro jasmim. Seu sexo exalava jasmim. Seu quadril tinha este aroma. Doce, lindo, delicado. Ele adorava. Adorava estar perto dos seus quadris e do seu cheiro de jasmim.
- Você faz o que da vida mesmo? – ele perguntou como se já não soubesse.
- Escrevo e faço outras coisas. Não te interessa, suponho – ela respondeu – Advogados escrotos não se preocupam com isto.
- Hmmm, escritora? Elitista, não? – ele zombou – Num país como o nosso você é “escritora”. Legal. O banco deve adorar seu lado social e seu limite de crédito.
Ela mostrou a ele o dedo médio enquanto tragava seu Marlboro e dava, depois, um gole da sua vodka.
Ele sorriu. Nada disse.
- Elitista o cacete – ela finalmente respondeu enquanto a vodka ainda descia ao estômago e aquecia o seu coração. Faço outras coisas. Sociais, inclusive. Nada que lhe diz respeito. Ajudar pessoas. Coisas que você desconhece.
Ele sorriu e continuou trolando – Ah, social. Sei. Escritora e gosta e ajuda pessoas. Ajuda o próximo. Você deve ser muito mala sabia? – brincou – Tipo de pessoa que não existe. Não existe mais.
- Quem sabe? Tem quem goste imbecil – respondeu – tem muita gente que gosta.
- Perdendo a linha senhorita? – ele zombou.
- Você me irrita. Provoca demais e faz de menos – ela disse – Você merece pastar.
- Você parece gostar de provocações. Parece sim – brincou.
- Vá se foder – ela disse.
- Vamos? – ele respondeu – Agora?
A noite? Bem, a noite como começou no Clube Varsóvia, cheia de provocações, vodkas, Marlboros e provocações, terminou em um sofá vermelho, na casa dela, com muito soul dos anos sessenta no aparelho de som e muito sexo, mas muito sexo e paixão e aroma de jasmim.
Tudo em cima de um sofá vermelho.

Jasmim? Bem, ele amava o perfume de jasmim que exalava dos quadris daquela pequena moça. Simplesmente amava...





Comentários

Lô disse…
Aaahhhhh.... que sofá é esse???!!!!! =)))
Lorraine disse…
Muito parado isso aqui, senhor escritor....!!!! =)

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.
DETESTANDO SÁBADOS, DOMINGOS, SEGUNDAS, TERÇAS... POR FAVOR, USE OS HEADPHONES (TORI AMOS – I DON´T LIKE MONDAYS) Ele estava sem muito saco naquela noite de sábado, mas, ainda assim, graças à insistência deles, resolveu sair com os seus amigos para beber, dançar, conversar, fumar, enfim, viver uma típica noite de sábado como faz todo ser humano que está...vivo. E, ainda que não fosse esse exatamente o seu caso, lá foi ele, mais uma vez, ao Clube Varsóvia, para sentar e fumar um Marlboro atrás do outro, enquanto os seus amigos dançavam e se embriagavam. E enquanto a música preenchia o ambiente de modo devastador e o álcool começava a cumprir o seu papel de desinibidor supremo, ele fez exatamente como a sua mente solitária havia, cruel e repetidamente, planejado antes da chegada dos seus amigos. Ficou prostrado em uma cadeira nada confortável do Varsóvia, ouvindo o som e apenas olhando a diversão, como se ela não lhe fosse jamais permitida. Mas o acaso conspira. Entre

Brindando Palavras Repetidas

  leia e ouça: richard hawley || coles corner - Você é repetitivo. Ele a olhou com uma surpresa muda,  - Você é muito repetitivo - ela disse, certeira, sabendo que o havia atingido em seu ponto mais fraco, mais vulnerável, mais dolorido. Não sorriu. Ele a olhou com certa surpresa sabendo que, no fundo, ela estava certa - Como assim? - perguntou, querendo ter certeza. - Repetitivo. Repetitivo. Você usa as palavras de forma inconsequente e repete sempre as mesmas coisas. Faz isso o tempo todo. - Faço? - ele disfarçou. Ela então sorriu levemente - Claro que faz. Mas o que me deixa ainda mais fascinada é esta sua cara de pau. Você sabe que é assim, desse modo, desse jeito e ainda assim continua nesta direção. Ele fingiu indignação, mas por puro orgulho. Ela estava absolutamente certa. Ele tomou um gole do que estava bebendo e ficou quieto, esperando a próxima porrada. - Não? Você não sabe disso? - ela insistiu. - Talvez - admitiu, sem admitir. - Então, por que você não tenta mudar? - Você