Pular para o conteúdo principal

ZODIAC


O calor estava inacreditável naquela pequena cama de solteiro naquele pequeno apartamento no centro da cidade. Inacreditável calor. Inacreditável química. Um casal apenas. Duas pessoas. Mais do que o suficiente para uma viagem ao paraíso. Duas pessoas, porém múltiplas línguas, beijos, toques, saliva, afeto, tesão, desejo, calor, e, claro, gozo. Muito gozo e calor. Calor demais embalado por toques suaves e precisos. Ela tinha uma pele de seda e um adorável cheiro de jasmim. Isso o enlouquecia. Ele? Uma pele brusca e um perceptível e definido cheiro de hortelã. Isso a enlouquecia. Tremia de prazer com a língua dele nos pontos certos. Ele tremia de prazer com os lábios dela nos pontos certos. E o calor? Continuava inacreditável. Dois corpos nus, suados, em transe, apaixonados. Dois em um. Únicos. Insanos. Apaixonados. Enlouquecidos.     

...

- Você não me disse uma coisa – ele perguntou com parte do corpo dela completamente nu e extenuado estirado sobre o seu peito.

Ela sorriu e disse sincera – Preciso dizer algo? Preciso mesmo? Não foram suficientes os gritos?

Ele sorriu de volta e insistiu – Não. É sério. Esqueci de perguntar algo muito importante.

- Mais importante do que tudo o que rolou? – ela perguntou.

- Não, mas importante anyway. Ao menos para mim. É bobagem, mas gosto.

- Diz – ela falou curiosa – Pode perguntar. Quer saber se eu gozei? Não deu para perceber? – disse com um sorriso sacana.

- Deixa de ser besta – ele disse e emendou - Qual o seu signo?

Ela levantou bruscamente o seu delicioso corpo nu e encarou aquele carinha à sua frente, quase sem acreditar na pergunta feita. Respondeu com desdém – Não vai me dizer que acredita nesta porra de signos e zodíaco, vai? – trolou.

Ele sorriu e disse – Sim. Acredito. 

- Não creio.

- Oras, eu acredito sim. Qual o seu signo?

- “Chuta” – ela desafiou.

- Não. Prefiro não “chutar”.

- “Chuta” – ela insistiu.

Ele olhou bem para ela e após momentos de silêncio disparou – Câncer?

Ela ficou arrepiada e sorriu um dos seus sorrisos mais lindos.

- Câncer? – ele insistiu.

- Como sabe seu filho da puta? – ela perguntou, dando um soco leve no seu peito nu.

Ele apenas sorriu. Nada disse.

- Como? Como sabe? Você já sabia? – ela perguntou.

- Claro que não. É apenas química senhorita protetora, carinhosa, simpática e emotiva. Amei ter acertado.

- Química? – ela perguntou.

- Química. Apenas química e cheiro de jasmim. Vem cá. Me dê um beijo agora. Por favor...por favor

E o calor? Continuou insuportável, porém ainda mais divertido...


CÂNCER

Dia perfeito para se recolher, contar histórias, relembrar o passado, cuidar da casa e dos afazeres domésticos. A Lua segue fora de curso em seu signo. Prefira a simplicidade e cuide dos assuntos que já conhece bem. Não é um bom período para tarefas complicadas, importantes ou que exijam concentração. Já no fim da tarde, a Lua ingressa em Leão: diversão e alegria ganham destaque”.






Comentários

Anônimo disse…
Lindo. Lindíssimo.

p.s.: e eu pego pesado nas imagens?? rsrs...

;)

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

kate bollinger || candy- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só preciso …

ERA O QUE FARIA LOU REED

antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber isso. Ela…

E COMO FUGIMOS DAS SOMBRAS?

jye || a shitty love song

E o que eu faço porra?” – ele pensou em desespero, atônito e surpreso ao se dar conta do que ela tinha acabado de presenciar. “Como eu fujo daqui? Como eu fujo da minha própria sombra?” – continuou em pensamento. Suando demais. Suando muito, porém muito mais em razão do desespero do que das doses que havia bebido e das danças que havia dançado. Não sabia o que fazer. Definitivamente não sabia o que fazer. Na verdade não havia o que fazer. Não havia. Simples assim. O erro já havia sido cometido. O erro já estava pronto e acabado. Um delicado e especial presente, gentilmente embrulhado em papel de seda colorida em rosa e violeta, entregue a ele por Blodeuwedd, a irresistível deusa galesa. Um presente. Rosa e violeta. Um presente. Um erro. Mais um erro, mais um. Irremediável? Talvez. Inconsequente? Com certeza. Típico? Típico, sim. Típico dele. Ela? Considerando a velocidade em que ele a viu pelas costas deixando a pista em direção à saída, com certeza a esta altura ela já havia …